Esportes » Jogadores do Atlético Nacional tiveram de fazer ''vaquinha'' para a LaMia

ECONOMIA DESASTROSA

IG

Jogadores do Atlético Nacional tiveram de fazer ''vaquinha'' para a LaMia

Elenco arrecadou cerca de R$ 10 mil para que a aeronave pudesse colocar mais combustível e seguir viagem para Medellín

Jogadores do Atlético Nacional tiveram de fazer ''vaquinha'' para a LaMia

As irregularidades com a empresa aérea LaMia não param de aparecer depois do acidente com a delegação da Chapecoense, perto de Medellín, que matou 71 pessoas e deixou apenas seis sobreviventes. De acordo com o jornal boliviano "Sol de Pando", o elenco do Atlético Nacional, que seria justamente o adversário da Chape na final da Copa Sul-Americana, arrecadou dinheiro para comprar combustível para uma aeronave da companhia.

Segundo a publicação, os atletas da equipe colombiana juntaram 3 mil dólares (cerca R$ 10 mil) no dia 1º de novembro, após o empate diante do Cerro Porteño, no Estádio Defensores del Chaco, em Assunção, para voltar à Medellin com o avião da LaMia.

"Os mesmos jogadores da equipe colombiana a bordo fizeram uma coleta de dinheiro ali mesmo para levantar 3 mil dólares, que foi o preço desse combustível adicional", diz a reportagem. O reabastecimento aconteceu no aeroporto de Cobija, ao norte da Bolívia.

Vale ressaltar que a causa da tragédia no voo da Chapecoense foi pane seca. O avião ficou sem combustível antes de chegar ao destino e caiu a poucos quilômetros da pista do aeroporto.

A publicação boliviana ainda mostrou fotos onde aparecem os jogadores do Atlético Nacional junto com o empresário venezuelano Ricardo Albacete, um dos donos do avião. Segundo fontes ouvidas pelo "Sol de Pando", o empresário se recusou a fazer o depósito para pagar a compra de combustível, por isso os atletas tiveram que o dinheiro entre eles.

Mesmo avião da Chape

O mesmo avião da LaMia foi utilizado pela Chapecoense na viagem para Medellín, saindo de Santa Cruz de la Sierra, mas o trajeto não foi concluído. A aeronave caiu na madrugada do dia 29 de novembro no Brasil, ainda noite do dia 28 na Colômbia, matando 71 pessoas entre jogadores, dirigentes, comissão técnica, jornalistas e tripulação. Os sobreviventes foram o lateral-esquerdo Alan Ruschel, o zagueiro Neto, o goleiro Jackson Follmann, o jornalista Rafael Henzel, a comissária de bordo Ximena Suárez e o técnico de aeronave Erwin Tumiri.

 

COMENTÁRIOS ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do 24 Horas News