Os governos do governo

Quantos governos um governo tem? A legislação brasileira foi criando reservas de poder dentro do setor público que hoje governar nada mais é do gerenciar os governos existentes dentro da máquina administrativa. E com isso o próprio brasileiro não entende os meandros do poder, como afirma Dammus Vosbiscum “a desinformação é a alma da burocracia”. Logo, povo desinformado, Estado dominado.

 Dentro da estrutura administrativa brasileira (municípios, estados e União), ou dentro do Judiciário, comarcas (primeira instância), Tribunais de Justiça (segunda instância) e Supremo Tribunal Federal (terceira instância), ou mesmo no Legislativo (Câmara de Vereadores, Assembleias Legislativas e Congresso Nacional) existem os técnicos, os especialistas, os ideológicos, os concursados, os contratados e os partidarizados. Fora deles estão os poderes concorrentes, cada um tentando mostrar mais poder que o outro e, no interior de cada um, pessoas loucas para levarem vantagens individuais. Por isso é mais fácil fazer uma gestão corrupta quando beneficia o corpo da máquina do que fazer um governo sério quando se tem enfrentamento interno.

 Paralelo a estrutura interna da máquina administrativa que se rivaliza entre si, existem as organizações políticas e corporativas, com seus interesses ideológicos e partidários (sindicatos) ligados a centrais sindicais e partidos políticos que também não tem interesse no bem social, mas apenas na manutenção do status quo e dos micros poderes constituídos por uma legislação que premia quem para de atuar profissionalmente (função de formação ou contratação) para fazer políticas classistas.

 Esta engenhosa máquina obriga os legisladores a formularem um emaranhado de leis com instâncias carimbatórias e revisionista (burocracia empregatícia) para a ampliação e manutenção de cargos e empregos, com objetivo de aparelhar a máquina pública. Com isso aumenta a burocracia e, como afirma H. Samuel, “burocracia: uma dificuldade para cada solução”. O Brasil é um país que não anda.

Diante do exposto, fica a dúvida: quem governa quem no Brasil? Quantos governos tem um governo? Onde esta o centro do poder? E a corrupção, quem são os culpados? Os eleitos? Os contratados? Os indicados? Os efetivos? Os concursados? Lori Tansey afirma: “Burocracia atrapalha. Onde se cria muita dificuldade, há sempre alguém vendendo facilidades”. Onde todos têm interesses individuais, me parecem todos culpados. Mas a lógica indica que onde todos comentem o mesmo erro ninguém leva a culpa. E assim caminha o Brasil.