Em rota de colisão

 A chamada em questão nos remete a situações envolvendo a Via Látea que é uma galáxia espiral da qual o Sistema Solar faz parte, o mesmo, é formado por um conjunto de: planetas, asteroides e cometas que giram ao redor do sol; qualquer tipo de colisão entre eles seria catastrófico. Felizmente, falamos de outro tipo de colisão, que pode não ser tão impactante como esse, porém, vem causando verdadeiro desconforto e insegurança à população brasileira, que não aguenta mais assistir: nos telejornais, nas redes sociais e por ai vai, desmandos, ataques pessoais, agressões verbais e assim por diante, entre membros de poderes constituídos, que deveriam dar exemplo, e acabam protagonizando verdadeiras batalhas campais, com trocas de farpas, xingamentos e outros insultos pessoais. Pasmem os senhores, tais ações se propagaram de tal forma, que acabou chegou a mais alta instância do poder judiciário brasileiro, que acumula competências típicas de uma suprema corte de um tribunal constitucional, reporto-me ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Vamos citar dois exemplos recentes envolvendo poderes constituídos, que de uma forma ou de outra, foram palco de verdadeiras atrocidades: a ética, a decência e a moralidade, provenientes de ações intempestivas e desinteligentes, praticadas por agentes públicos; nestes dois casos, um municipal e outro federal.

O primeiro caso é emblemático, e diz respeito á tão falada e propalada "CPI do Paletó", que tinha como objetivo, apurar suposto pagamento de propina ao prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), quando este ocupava o cargo de deputado estadual.

Entre as oitivas realizadas foram ouvidos apenas, o ex-governador Silval Barbosa, o ex-chefe de gabinete dele, Sílvio Corrêa, o ex-secretário de Indústria e Comércio, Alan Zanatta, e o servidor da Assembleia Legislativa, Valdecir Cardoso na referida CPI.

Tudo que foi dito por mim até então, foi chover no molhado, porém o ponto nevrálgico ficou por conta, da sessão da sexta-feira (16), quando o vereador Renivaldo Nascimento (PSDB), discursava defendendo que as oitivas fossem encerradas e a CPI passasse para elaboração do relatório final, o mesmo, se irritou com o fato de o vereador Felipe Wellaton (PV) estar gravando sua fala.

Até ai tudo bem, a irritação é algo normal nos seres humanos, porém a exacerbação das ações acaba comprometendo não apenas os vereadores envolvidos nesse episódio nefasto, como também, acaba maculando a própria instituição, a nossa egressa Casa de Leis, que mais uma vez, sai arranhada. A pergunta que não quer calar, por que a insistência na obscuridade dos fatos?

O segundo caso, com maior magnitude por se tratar de membros do Supremo Tribunal Federal (STF), aconteceu quarta-feira (21), desta feita, protagonizaram verdadeiro bate-boca no plenário, os ministros Luiz Roberto Barroso e Gilmar Mendes, fato este, proveniente da fala do ministro Gilmar Mendes, que criticava decisões do STF, sobretudo a que proibiu as empresas de doarem para campanhas eleitorais, nessa ocasião a Corte discutia na sessão a proibição de doações ocultas.

Não vamos entrar no mérito da questão, até porque, não somos juristas, agora, na condição de cidadão brasileiro, me sinto envergonhado com tamanho desrespeito com a população que literalmente paga, os polpudos salários desses senhores, que deveriam no mínimo, respeitar o sofrido povo brasileiro, que não aguenta mais, desmandos e desrespeitos.

Pare o mundo, quero descer!

Professor Licio Antonio Malheiros é geógrafo (liciomalheiros@yahoo.com.br)