Doenças causadas pelo tempo seco afetam muito os idosos

Embora estejamos no inverno, o tempo seco e a altas temperaturas atuais na região do Mato Grosso agravam muito as doenças respiratórias principalmente entre as crianças e os idosos.

 

Por isso, sintomas como tosse contínua com ou sem catarro, queixa de falta de ar, diminuição do apetite e confusão mental de forma súbita devem ser um sinal de alerta para a família e o idoso deve ser levado rapidamente para um pronto-atendimento, não é preciso que o idoso tenha febre, um dos sintomas acima já pode significar que algo não está bem.

 

Até porque, como passar dos anos, o sistema imunológico sofre alterações naturais do envelhecimento, o que deixa o corpo com menos resistência e no caso específico dos idosos, aumenta a vulnerabilidade a doenças.

 

Uma gripe que parece simples pode evoluir para uma pneumonia séria, visto que os pulmões nessa fase da vida estão com menos expansividade, o que acarreta uma maior probabilidade de doenças respiratórias já que o tempo seco aumenta os processos alérgicos e a proliferação de bactérias que podem atingir os órgãos e no caso dos idosos se demorar a serem descobertos podem levar a internação e até a morte dependendo da debilidade em que o idoso fica.

 

É também nessa época que aumentam os riscos de infarto ou derrame.

 

A minha orientação, é que o idoso tome muito líquido para se hidratar. Mesmo quando fica frio onde deve ser bem agasalhado, é fundamental a hidratação. Em caso de frio o chá é uma boa opção, pois aquece e hidrata.

 

Outro item que é fundamental é que o idoso esteja com o calendário de vacinas em dia e que passe pelo geriatra a cada 2 ou 3 meses para que com acompanhamento diminua o risco de doenças oportunistas causadas pelo tempo seco e outras próprias da idade.

 

O idoso também pode melhorar sua qualidade fazendo exercícios físicos ou fisioterapia desde que seu médico esteja ciente e ainda recomende o que é mais apropriado para ele.

 

No caso de regiões quentes como em Mato Grosso, os horários que o idoso pode fazer atividades também tem que ser definidas pelo médico para evitar uma insolação ou desidratação.

 

 

Luiz Gustavo Castro Marques – é médico geriatra CRM-MT 3696