Como fazer a grande faxina na política


Fazer a grande faxina na política é simples assim: é só não votar em candidatos que estão buscando a reeleição, será uma limpeza total, em todos os níveis, mandar as velhas raposas para casa ou para a cadeia, pois perderão o foro privilegiado.


Com o advento da reeleição, o político tão logo começa o seu mandato, já está pensando nas próximas eleições, e esquecem-se dos compromissos para qual foi eleito, deixa de ser ele mesmo, pratica todo tipo de traição, trocando de partido em busca de espaços, pratica conchavos e acertos, e vira um mentiroso por excelência, tornando um político de qualidade duvidosa e tornando um “lobista” dos grupos econômicos.


Vende seu mandato, a espera de financiamento para a próxima eleição e com a “Cara de Pau” vira um líder sem ideologia, e passa a fazer composição de bancadas fatiadas aos seguimentos diversos, agrupando por interesses escusos e “comem nas mãos” dos poderosos e endinheirados, garantindo assim, o financiamento de campanha com dinheiro não declarado, mais conhecido como Caixa 2, (dinheiro em espécie), esquecendo-se do povo que os elegeu.


A origem do “Caixa 2”, nasce em função da reeleição, porque no poder, o político é procurado pelos Grupos Econômicos, para buscar facilidade nas decisões das instituições públicas, (no executivo e no legislativo), promovendo projetos de leis direcionados para beneficiar as ações que possam beneficiar os seus grupos econômicos, tais como: incentivos e isenções fiscais, frades em licitações e contratos, subornos de servidores públicos. E, ao fim, com esses financiamentos ilegais, desequilibram os pequenos candidatos na eleição, ou seja, o resultado das eleições são transformado em frades, pois os eleitores sem consciência, são comprados pelos recursos financeiros sujos e lastreados na corrupção em todos os níveis de poder.


O “Caixa 2”, é filho da reeleição, porque a necessidade de se reeleger é que levam os políticos, a se venderem, a serem usados em troca de financiamento do “Por Fora”, dinheiro sujo em espécie, e por não haver registro contábil nos Partidos, não passam pelas Contas Bancárias, e por isso, não são declarados, e por não serem declarados, não estão nas Prestações de Contas, mas quando os políticos são pegos ou denunciados pelos “delatores premiados”, vem a público dizer cinicamente que: “a minha Prestação de Contas foram devidamente aprovadas na forma da lei e pela Justiça Eleitoral, portanto, vou ajuizar uma ação, para reparação de dano moral contra a minha pessoa, pois esses delatores premiados, não tem prova do que estão dizendo, são ilações e fantasias”.


Vejam que todos falam as mesmas coisas: “nunca coloquei as minhas mãos em dinheiro sujo, sou honesto e honrado, e não vou admitir que ninguém possa manchar a minha história política”.


Sem a reeleição, em cada eleição se promoverá uma nova mudança do quadro político, e com isso o país estará expurgando e extirpando os políticos viciados e dando oportunidade aos novos lideres, e passando o país a limpo.


Está eleição de 2018 será muito diferente, porque poucos que irão votar, com certeza votarão com raiva, com nojo da situação atual e estarão promovendo “um limpa ao não votar em quem tem mandato continuado”, porque só o eleitor tem o poder de escolher os políticos, e não depende de Lei, basta não votar naqueles que estão pedindo mais oportunidade de continuar roubando os cofres públicos.


A eleição do ano que vem, será muito importante e dará a grande oportunidade para o povo expulsar os maus políticos da vida pública deste país e deste estado.


Economista Wilson Carlos Fuáh – É Especialista em Recursos Humanos e Relações Sociais e Políticas.Fale com o Autor: wilsonfua@gmail.com