Dia do Fã ressalta a importância de alimentar o amor aos ídolos

IG Gente | 18/03/2019 12:30:04

No Dia do Fã, pessoas contam suas experiências, particularidades e dificuldades de carregar o título do fanatismo por cantores, séries e mais

Esta segunda-feira (18) é um dia muito especial para aqueles que tem um amor muitas vezes julgado como platônico, que dormem em filas, perdem a voz de tanto gritar e fazem o possível, e às vezes impossível, para ficar pertinho de quem ama. É o dia do fã! A data dedicada a essas pessoas ressalta a importância delas na vida do ídolo e, é claro, na cultura também.

Apesar de ter o dia do fã, gostar de alguém que não seja acessível não é tão fácil assim. Pessoas que carregam o título de fanáticas sofrem com o julgamento daqueles que não compartilham da mesma paixão. Fã de Demi Lovato há sete anos, Agnes Ortega, 21, é um grande exemplo disso e disse que sofre certo preconceito por gostar de alguém com uma história de altos e baixos: “As pessoas já te generalizam como depressivo”, explicou a estudante de Relações Internacionais.

No entanto, de acordo com a estudante de Publicidade e Propaganda, Amanda Regina da Silva, 22, enfrentar tais julgamentos vale muito a pena. “Se você ama uma banda, não tenha medo de fazer de tudo por ela. Eu te garanto que a sensação é incrível e você nunca vai sentir algo igual na vida”, ressaltou a fã de Jonas Brothers.

Apreciar tanto uma figura pública, vai muito além do hype do artista. Amanda, por exemplo, encontrou no fanatismo a força, quando passou a se sentir excluída, na época do ensino fundamental. “Teve um dia que eu estava na internet e o YouTube me recomendou S.O.S, uma música deles; aí fui escutar e simplesmente amei! Eles foram uma ajuda/força muito grande para mim. A música me inspira e me passa um ar de felicidade sem tamanho e sou muito grata até hoje por isso”, contou ela.

O mesmo aconteceu com a fotógrafa Carolina Montemor, 25, também na época do colégio, que se apegou em “Supernatural” para fugir da exclusão, e graças a série passou a se sentir acolhida e ainda conseguiu fazer diversas amizades ao redor do mundo, com a ajuda das redes sociais e idas a convenções. Hoje, ela também fã de “Stranger Things”.

Nesse dia do fã, não pode faltar histórias de loucuras pelos ídolos. Victória Leister, 21, por exemplo, é fã de Justin Bieber desde que ele começou a carreira, e durante seu intercâmbio para Fort Smith, em Arkansas, EUA, não temeu em viajar para a cidade de Tulsa, em Oklahoma, só para ver o ídolo teen de pertinho. O amor é tanto, que ela já até carregou um poster em tamanho real do cantor durante toda uma festa organizada pelo fã clube Bieber Mania.

A jovem estudante de Turismo, que já foi em todos os shows de Justin aqui no Brasil, incluindo sua participação no Z Festival em 2011, também dividiu seu amor de fã com a boy band brasileira P9, extinta em 2016. Entre presentes aos ídolos e muitas lágrimas de emoção, em um dos encontros que teve com os cantores ela chegou a ganhar um selinho do integrante Jonathan Couto, que deu o que falar entre as fãs deles.

Já Amanda, que é de São Paulo, chegou a dormir três dias na fila, ficou em porta do hotel, esperou em aeroporto e até viajou para Porto Alegre só para ver os irmãos Jonas. Inclusive, para pagar o Meet&Greet e realizar o sonho de ver os meninos de pertinho, ela vendeu roupas. Com uma coleção de momentos, CDs e ingressos de shows dos cantores, que ela guarda com todo carinho, a estudante já participou de cinco shows dos artistas, incluindo um solo de Nick Jonas. Agora ela aguarda ansiosa pela retorno da banda.

Sem medir esforços e para honrar o dia do fã, Agnes também se rendeu ao acampamento para ver Demi de perto e passou uma semana na fila de um dos shows da artista em São Paulo. Além disso, a estudante também desembolsou mais de R$1.000 para tirar uma foto com a cantora, o registro de 2014 é o seu favorito até hoje.

Carolina, por sua vez, ultrapassou as fronteiras e embarcou duas vezes para os Estados Unidos só para encontrar os ídolos de “Supernatural”. Em uma das convenções, inclusive, o astro da série, o ator Chad Lindberg, chegou a desenhar um coração para ela fazer uma tatuagem no braço.

Além de "Supernatural", ela é fã de “Stranger Things” e até investiu no cosplay da personagem Max para a CCXP 2018, onde virou a noite como a terceira da fila na intenção de conseguir um autógrafo da atriz Sadie Sink. O autógrafo não rolou, mas nem assim ela desistiu de ficar no melhor lugar no evento e ficou em pé na grade por mais de oito horas para assistir a entrevista do elenco, que deu certo e ela ainda foi notada por Sadie, que elogiou o cosplay.

Juliana Bittar-Godinho, 32, é fã dos Hanson há 22 anos. Mesmo sem a banda estar no hype, a professora de administração defende seu amor pelos ídolos com unhas e dentes, e também tem boas histórias dessa paixão para contar. Entre shows, encontros, e até um evento fechado para fãs, “Back To The Island", em Cancún, no México, em 2015, que também marcou sua primeira viagem internacional sozinha, a música da banda ainda foi responsável por um dos momentos especiais de sua vida: quando foi pedida em casamento, em 2016.

Denise Bittar-Godinho, esposa de Ju, aproveitou o lado fã da amada para conquistá-la ainda mais e fez um pedido de casamento que não teve erro - totalmente inspirado em Hanson. Esperta, ela contratou uma banda, que a princípio não curtia o som dos cantores, para fazer a surpresa. Denise, que não era fã dos músicos, aprendeu a letra da canção favorita da esposa, Carry U There, soltou a voz junto com a banda contratada e se declarou pedindo-a em casamento.

Conquistada da melhor forma possível, hoje elas compartilham além do amor de casal, o carinho de fã, pois Denise também foi contagiada e aprendeu a curtir o som de Hanson e acompanhar a esposa nesse universo.

A vida de Carol também ganhou uma grande marca com o amor por “Stranger Things”. “É algo que está abrindo portas na minha profissão porque eu acabo vendo os photoshoots do elenco e usando como referências. Ultimamente também tenho o apoio do Chester Rushing (o Tommy H na série), que é uma pessoa incrível, super próxima dos fãs e ele tá sempre me apoiando no meu trabalho de fotografia, assim como eu apoio o dele como ator, músico e streamer de games”, contou a também fã de "Supernatural".

A ajuda do ator de “Stranger Things”  veio depois que ela descobriu que ele fazia stream de “Fortnite” no Twitch e começou a aparecer por lá e comentar o chat. “Comecei a ajudar a divulgar isso e as músicas dele e quando vi eu tinha virado moderadora do canal dele no Twitch e ajudando a cuidar do chat. Ele tá sempre falando sobre meu apoio, já divulgou meu Instagram de fotografia durante stream, tá seguindo o Instagram também”, explicou Carol.

O apoio da família sempre foi ponto de extrema importância para a maioria das entrevistadas acima. Nesse dia do fã é importante ressaltar que caminhar com quem acredita nesse carinho como algo positivo, faz grande diferença para se tornar um fã de forma saudável.

Agnes, Amanda, Carolina, Juliana e Victoria,  são grandes exemplos para ressaltar a importância do dia do fã. O carinho pelo ídolo ultrapassa barreiras (e fronteiras também) e, às vezes, influencia diretamente na vida pessoal, profissional e amorosa, provando que esse carinho, mesmo de longe, é realmente transformador.

Fonte: IG Gente