CULTURA MÃE

Evento indígena promoveu cultura entre etnias de Mato Grosso

Redação 24 Horas News / Funai | 30/10/2018 18:35:59

Jovem youtuber Xavante motiva outros jovens no uso de mídias digitais para divulgar a cultura indígena

 

Três terras indígenas, cinco povos e mais de 200 indígenas celebraram a diversidade e as semelhanças da cultura indígena do noroeste de Mato Grosso. Durante 4 dias a aldeia Cravari (Terra Indígena Manoki), foi um espaço de interação sociocultural entre os povos Myky, Manoki, Sabanê, Tawandê e Manduca. Um encontro entre jovens, professores, lideranças e anciãos, que promoveu o intercâmbio de saberes  tradicionais.

Ao refletir um mosaico de cores, cantos, danças, histórias e artesanatos, o evento – realizado entre os dias 24 e 28 de setembro – marcou a conclusão de um ciclo de formação em gestão territorial e política junto a estas populações, iniciado em 2016 pelo projeto "IREHI: Cuidando dos territórios", desenvolvido pela OPAN e financiado pelo Fundo Amazônia.

Um dos objetivos do projeto foi atender à demanda por formação juvenil expressada por esses povos em seus Planos de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas (PGTA), propósito atendido com o ciclo de formação que fortaleceu as trocas culturais intergeracionais e o protagonismo de jovens em suas comunidades.

O encontro contou com a participação de anciãos das três terras indígenas que realizaram 'contações de histórias', em que relataram o surgimento de cada povo, bem como suas tradições e costumes. Essa dinâmica proporcionou aos participantes trocas culturais intensas, nas quais encontraram, por exemplo, coincidências cosmológicas, fortalecendo sua identidade como povos originários. E essas relações interculturais se confirmam mediante seus meios de produção, reprodução da vida e com o vínculo que mantêm com seus territórios, seja o Cerrado ou a floresta.

Os anciãos também foram os protagonistas durante as tardes de oficinas de confecção de artesanatos, onde ensinaram aos mais jovens as técnicas de cada etnia na criação de artefatos e arte, como redes, arcos e flechas, cestos, colares, brincos, cocares, tiaras, saias de buriti, chocalhos, pintura corporais tradicionais, língua materna e calendário tradicional.

Irani Tawandê, da Terra Indígena Pirineus de Souza, por exemplo, é um reconhecido contador de histórias que fez os participantes conhecerem sobre as origens e mitos de seu povo. "Eu vim aqui para falar do que somos, de onde viemos. Este é o nosso trabalho: incentivar os nossos jovens a amar nossa tradição", disse ele, destacando a alegria de ver os povos unidos, mostrando cada um sua cultura e encontrando semelhanças entre elas.

Por sua vez, Rosinês Kamunu, da Terra Indígena Manoki, ficou orgulhosa de ver a participação dos jovens Manoki interessados em conhecer e aprimorar sua cultura. De acordo com ela, essa prática "nos ajuda a se sentir mais orgulhosos de ser indígena e a lutar, ainda mais nestes tempos tão difíceis para eles", afirmou.

Um momento que também chamou a atenção dos jovens foi a participação de Cristian Wariu, um jovem youtuber da etnia Xavante que em seu canal aborda a diversidade da cultura indígena, desmistificando preconceitos sobre os povos indígenas no Brasil.

Na roda de conversa, Cristian reforçou a necessidade dos indígenas usarem a comunicação digital e as redes sociais para se expressarem e para apresentarem suas culturas e suas tradições. "Nós já estamos registrando tudo na nossa aldeia, mas ainda precisamos publicar mais, nos mostrar mais", disse Typju Myky, concordando com Cristian na importância de apresentar a cultura indígena fora de seus territórios.

A educação indígena foi tratada durante o evento quando os professores indígenas apresentaram seus projetos etnoeducacionais desenvolvidos em suas escolas e nas universidades. Os projetos reforçam a importância da educação indígena diferenciada, em meio às demandas indígenas por aquisição de novos conhecimentos e de convívio entre as sociedades indígenas e não indígenas.

O evento foi encerrado com uma grande festa cultural, com danças e exposição dos artesanatos e artefatos confeccionados durante as oficinas. Todos os povos presentes partilharam a alegria de se encontrarem e fortalecerem suas culturas e conhecimentos, reafirmando sua aposta nos jovens, suas lideranças do presente e do futuro.


ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do 24 Horas News