Ministério da Justiça muda classificação indicativa de novela da Globo

Otávio Augusto | 16/07/2019 10:20:39

TV Globo/Reprodução

Maior audiência da última década no Vale a Pena Ver de Novo, da TV Globo, a novela “Por Amor”, de Manoel Carlos, foi considerada imprópria para menores de 12 anos pelo Ministério da Justiça. Nesta terça-feira (16/07/2019), a trama perdeu a classificação indicativa livre.

A medida foi publicada no Diário Oficial da União nesta terça-feira. A Coordenação de Classificação Indicativa considerou que a novela exibe cenas de atos violentos, consumo de droga lícita, lesão corporal, apelo e insinuação sexual, nudez velada e preconceito.

“Devido à relevância do conteúdo de drogas, bem como a apresentação de conteúdo sexual e temas relativos à violência, mesmo sopesando-se os agravantes e atenuantes apresentados ao longo da obra, ainda assim constatou-se que a classificação de “Livre” já não se apresenta cabível para a obra em comento”, destaca o despacho.

Com o argumento, o órgão decidiu: “Determinar a revisão da classificação da novela ‘Por Amor’ para ‘não recomendado para menores de 12 (doze) anos'”, conclui o documento. A TV Globo tem a obrigação de divulgar a nova indicação etária de público no prazo de cinco dias e sempre quando houver a exibição da obra.

Originalmente exibida em 1997, às 20h, contou com estrelas como Regina Duarte, Antonio Fagundes, Gabriela Duarte, Fábio Assunção, Susana Vieira, Vivianne Pasmanter, Carolina Ferraz e Eduardo Moscovis.

Na novela, Gabriela Duarte interpreta Maria Eduarda — a mimada primogênita de Helena, papel de Regina Duarte, que está criando o irmão como filho após a troca de bebês feita pela mãe.

O sucesso da história levou a Globo a exibi-la novamente na TV aberta e em canais por assinatura em 2002, 2010, 2012 e 2017. A obra de Manoel Carlos foi exportada para mais de 60 países, sendo considerada uma das produções mais bem-sucedidas da emissora no mercado internacional.

Metrópoles entrou em contato com a TV Globo para comentar a decisão, mas até a última atualização desta reportagem a emissora não comentou o caso. O espaço continua aberto a manifestações.

Veja o documento que reclassificou a novela:

Reprodução/DOU

 

Jornalista: Otávio Augusto