O rei das protagonistas! As dez mulheres de Walcyr Carrasco

iG Gente | 20/05/2019 04:35:08

Prestes a estrear sua mais nova novela da Globo, "A Dona do Pedaço", Walcyr Carrasco possui uma bela lista de mulheres protagonistas criadas por ele

Prestes a estrear mais uma novela de sua autoria, Walcyr Carrasco possui um currículo extenso de novelas na Globo. Desde 2000, quando escreveu “O Cravo e a Rosa”, o jornalista entrou para o time de autores da emissora, ao lado de nomes consagrados como Aguinaldo Silva, Glória Perez, João Emanuel Carneiro, Manoel Carlos e Silvio de Abreu, por exemplo.

Agora, Walcyr Carrasco se prepara para o lançamento de “A Dona do Pedaço”, nesta segunda-feira (20) e que, claro, contará com uma personagem principal com uma história de luta, perseverança e muita garra.

Pensando nisso, listamos as dez protagonistas do dramaturgo que roubaram a cena nas novelas da Globo. Confira!

Em sua primeira novela na emissora, o jornalista apresentou a primeira de suas protagonistas, Catarina, vivida por Adriana Esteves. Na trama, Catarina era uma jovem impetuosa e que não aceitava viver na opressão da sociedade paulista da década de 1920.

A personalidade da moça se destacou mais ainda quando, finalmente, se apaixonou por Petruchio (Du Moscovis), mas se recusando a admitir a paixão e a aceitar o papel de “futura esposa e mãe de família” que lhe era imposto.

Além da fé, “A Padroeira”, de 2001, também contou a história do amor impossível entre Cecília (Deborah Secco) e Valentim (Luigi Baricello), no ano de 1717. A jovem, que havia sido prometida a Dom Fernão de Avelar (Maurício Mattar), acabou se apaixonando pelo rapaz.

No decorrer da trama, o casal impossível passa por poucas e boas, principalmente em relação ao casamento forçado de Cecília e Fernão. A protagonista do folhetim, que foi ao ar na faixa das 18h, provou que era uma mulher forte e determinada a lutar por seus objetivos.

Vivida por Priscila Fantin, Maria era uma italiana que, mesmo contra sua vontade, foi obrigada a se casar com Martino (José Mayer) e viver longe do amor de sua vida, Toni (Reynaldo Gianecchini). A separação do casal protagonista se deu por conta da diferença de classes sociais dos dois, já que Maria era uma moça pobre.

Antes da separação, ela descobre que está grávida e jura ao pai, Giuliano (Antonio Fagundes), que o filho é de seu marido.

Uma das personagens mais queridas da teledramaturgia brasileira, Ana Francisca, interpretada por Mariana Ximenes, era uma menina doce e ingênua de uma pequena cidade, que sofreu muito bullying por conta de sua aparência e suas origens.

Em um certo ponto do folhetim, a moça viaja grávida, sem contar que o filho é do grande amor de sua vida, Danilo (Murilo Benício). Então, o amigo Ludovico (Ary Fontoura) a pede em casamento, com a intenção de dar um nome à criança. A moça retorna à cidade completamente diferente do que costumava ser: acionista majoritária da fábrica de chocolates da cidade, bem vestida e muito mais empoderada do que era, deixando todos de queixo caído.

Em "Alma Gêmea", Serena, também interpretada por Priscila Fantin, era uma moça de origem indígena que vai para a cidade grande. Lá, conhece Rafael (Du Moscovis), quando começa a trabalhar na casa dele. Os dois logo se identificam e, ao longo da trama, acabam se apaixonando.

No entanto, a mocinha sofre com as artimanhas de Cristina (Flávia Alessandra), que também era apaixonada por Rafael e desejava sua fortuna. No decorrer do folhetim, descobre-se que Serena é a reencarnação de Luna, primeira esposa do protagonista.

O remake da trama exibida, pela primeira vez, em 1975, contou a história (originalmente escrita por Jorge Amado) de Gabriela (Juliana Paes), uma jovem destemida e que chegou a cidade de Ilhéus, na Bahia, em busca de uma vida melhor do que a que levava no sertão.

Lá, a moça se torna o assunto da cidade, com toda a sua graça e formosura. Em Ilhéus, Gabriela sofre para se adaptar aos padrões da sociedade da década de 1920, mas acaba deixando as tentativas de lado para finalmente ser quem é, sem se deixar abalar pelas críticas que recebia.

A personagem de Paolla Oliveira passou por um grande trauma na vida, quando teve sua filha sequestrada no nascimento pelo próprio irmão, Félix (Mateus Solano). Paloma nunca deixou de procurar pela criança que, anos depois, descobriu ter sido criada pelo homem por quem se apaixonou, interpretado por Malvino Salvador.

Exibida na faixa das 23h, a trama mostrou a história da nada inocente Angel (Camila Queiroz), que entrou no mundo da moda com o sonho de se tornar uma modelo famosa, mas se deixou corromper pelo dinheiro e poder. A moça, então, começa a se prostituir.

Paralelo a isso, Angel se envolve com Alex (Rodrigo Lombardi), um poderoso empresário paulistano. Ao longo do folhetim, Alex casa com a mãe da menina, com o intuito de ficar o mais próximo possível da modelo. No fim da trama, Angel se mostra uma mulher completamente diferente do que todos pensavam. Não é preciso dizer que a história acabou em tragédia, não é mesmo?

“Vocês não sabem o prazer que é estar de volta”. Se você não conhece a icônica frase de Clara, vivida por Bianca Bin em “O Outro Lado do Paraíso”, reveja seus conceitos de noveleiro. Na trama escrita pelo autor, a moça deixou de ser a inocente vítima para se tornar uma mulher vingativa.

Clara apanhou de Gael (Sérgio Guizé), foi traída pela sogra e pela cunhada, teve o filho roubado, foi internada em uma clínica psiquiátrica, foi traída de novo pelo melhor amigo... ufa! A morena passou por poucas e boas, mas não desistiu e deu a volta por cima no fim da trama.

Na trama que estreia nesta segunda (20), Maria da Paz (Juliana Paes) será uma mulher que passará por poucas e boas durante a novela.

A personagem vai sofrer a perda do marido em pleno altar, fugirá da cidade após ser jurada de morte, chegará a São Paulo praticamente sem nada e, finalmente, reconstruirá sua vida vendendo bolos! Mas calma, muita coisa ainda vai acontecer com a mais recente protagonista de Walcyr Carrasco na Globo. Fique ligado!

Fonte: IG Gente