Caso Daniel: Busca de Cris Brittes por casas de swing muda rumo da investigação

iG Esporte | 16/07/2019 10:00:07

Perícia feita no celular de Cris Brittes reforça a tese de que Edison teria convidado Daniel a manter relações íntimas com mulher na manhã do crime

O caso Daniel ainda segue sem solução, mas novas peças do quebra cabeça vão surgindo para que as investigações continuem no caminho de uma conclusão. E uma nova informação pode mudar os rumos do processo.

Uma perícia feita no celular de Cristiana Brittes, mulher de Edison Brittes, assassino confesso do jogador Daniel, mostra que a moça pesquisou por casas de swing no Google, segundo o programa Tribuna da Massa.

Casas de swing são locais onde é feita troca de casais para relações íntimas.

Essa informação reforça a tese de que  na manhã do crime.

Sem ser identificada, uma pessoa disse à emissora de TV parananese, ainda no ano passado, que Edison teria convidado Daniel a manter relações sexuais com Cristiana naquela fatídica manhã. Essa situação teria ocorrido momentos antes de o atleta ser morto.

"Ele disse que estava muito louco, que convidou Daniel para dormir com a mulher dele. Ele sabia, a mulher também, foi um acordo. E depois que ele viu que realmente os dois estavam juntos na cama ele se revoltou e resolveu matá-lo", comentou o rapaz.

Ainda segundo essa testemunha, Edison Brittes teria confessado a um amigo que usou drogas antes do crime, como cocaína e ecstasy. "A família tem direito de saber que Daniel não tentou estuprar ninguém, ele realmente é inocente na história", disse o entrevistado.

Edison e Cristiana disseram em seus primeiros depoimentos que nunca fizeram isso, mas a busca por casas de swing no celular da mulher pode comprometer o casal. 

Os dois acusados pela morte de Daniel terão que se justificar no interrogatório marcado para o dia 13 de agosto deste ano, podendo se estender até 15 de agosto.

Além da família Brittes (Edison, Cristiana e Allana), outras quatro pessoas são acusadas do crime. 

O empresário Edison Brittes já confessou ter matado Daniel, alegando que jogador tentou estuprar Cristiana Brittes, sua esposa, em casa. Por outro lado, a Polícia Civil e o MP-PR (Ministério Público do Paraná) entendem que não houve tentativa de estupro.

De todos os acusados, apenas Evellyn Perusso responde em liberdade. Os outros seguem detidos.

Veja quem são os réus:

A juíza do caso Daniel já ouviu testemunhas de acusação e defesa em outras duas fases de audiência, em fevereiro e em abril deste ano de 2019. Prestaram depoimento pessoas que estavam na festa de aniversário de Allana Brittes, na véspera do crime, e familiares do jogador e dos acusados.