ESNOBOU O ADVERSÁRIO

Padilha disse que jogo contra o Sinop estava marcado e que Sorriso não atropelou o regulamento

Jornalista Jonas Jozino | 08/10/2019 17:21:17

Ele negou que tivesse se antecipado a uma decisão de acordo entre os dois dirigentes e ressaltou que a Federação Mato-grossense de Futebol havia mandado os árbitros para trabalhar, na partida, não havendo, portanto, qualquer posicionamento da FMF sobre o adiamento da partida.

Clayton Padilha, técnico das equipes Sub-15 e Sub 17 do Sorriso disse nesta terça-feira que cumprir a sua missão de colocar o time em campo para enfrentar o Sinop e que se o adversário não compareceu, perdendo por W.O., a culpa é da sua diretoria. Ele negou que tivesse se antecipado a uma decisão de acordo entre os dois dirigentes e ressaltou que a Federação Mato-grossense de Futebol havia mandado os árbitros para trabalhar, na partida, não havendo, portanto, qualquer posicionamento da FMF sobre o adiamento da partida.

  “Sou um admirador do trabalho do presidente do Sinop, um grande diretor do futebol mato-grossense. Mas ele foi infeliz na colocação dele sobre o ocorrido no último sábado. Nós, da Associação Grêmio Sorriso, simplesmente cumprimos o protocolo, pois a Federação Mato-grossense de Futebol (FMF) não enviou nenhum ofício alegando a transferência do jogo”, explicou.

 “Sendo assim, o jogo estava marcado para sábado, onde nossa equipe se fez presente, juntamente com arbitragem e, até mesmo, a ambulância estava no estádio Gigante do Norte”, expôs o treinador. “Ficamos surpresos pois estávamos prontos para o clássico, pois a competição já tinha sido adiada, nossos atletas estavam em condições de jogo, o presidente se equivocou em falar que eu, Clayton Padilha, mando no Sorriso pois sou um mero funcionário do clube. Não agimos de