Polícia prende principal suspeito na morte de Moacir Bianchi, fundador da Mancha

| 19/07/2017 08:10:02

Atirador seria membro do PCC e teria fugido do País logo após assassinato de Bianchi, mas foi preso pela Polícia Civil em Osasco, na Grande São Paulo

Moacir Bianchi foi um dos fundadores da Mancha Verde e chegou a presidir a organizada
ARQUIVO PESSOAL / FACEBOOK
Moacir Bianchi foi um dos fundadores da Mancha Verde e chegou a presidir a organizada

O principal suspeito na morte do fundador da Mancha Verde, Moacir Bianchi, foi preso pela Polícia Civil na noite desta última terça-feira (18), em Osasco, na Grande São Paulo. Marcelo Ventola chegou a ser apontado como integrante do PCC, sendo o quinto nome na hierarquia do poder da facção criminosa. Ao ser abordado pelas autoridades, Marcelinho negou sua participação no assassinato.

O suspeito tinha prisão decretada pela Justiça desde março deste ano, mas estava foragido. As autoridades acreditavam ainda, que Marcelinho chegou a fugir do País após o assassinato de Moacir Bianchi . Uma câmera de segurança registrou o momento no qual Ventola desceu de um carro e atirou contra o fundador da principal torcida organizada do Palmeiras .

De acordo com a "TV Record", o carro utilizado no crime pertencia a Rafael Martins da Silva, o Zequinha. Este seria um de outros pelo menos três investigados na participação do crime. Os advogados do dono do veículo já teriam contatado a polícia na intenção de apresentarem seu cliente à Justiça brasileira, no entanto, o mandado de prisão temporária ainda é mantido e as autoridades trabalham para encontrá-lo.

O caso estava sendo executado sob sigilo pelo DHPP (Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa). De acordo com a polícia, Marcelo Ventola deverá ser encaminhado para a carceragem do 77º Distrito Policial em Santa Cecília e ficará preso até seu julgamento.

O crime

Moacir foi morto com 22 tiros em emboscado no bairro do Ipiranga, Zona Sul da capital paulista, mais precisamente na Avenida Presidente Wilson. Horas antes do assassinato , o palmeirense esteve na sede da organizada para uma reunião de cúpula, onde seria decidido o destino da torcida.

O presidente da Mancha Alviverde , Anderson Nigro, conhecido como Nando, prestou depoimento no dia seguinte ao crime, mas foi liberado. Não foi comprovado qualquer envolvimento com a morte de Moacir Bianchi e com a facção criminosa PCC. Entretanto, a polícia trabalha com a hipótese de que o possível mandante do crime tem vínculo com a diretoria da uniformizada.