Antivírus Kaspersky acusado de ter pirateado computadores em todo o mundo

As autoridades russas usaram o antivírus da empresa Kaspersky para piratear computadores em todo o mundo e obter informação secreta dos EUA, escreve hoje o The Wall Street Journal (WSJ).

| 12/10/2017 15:58:48
Reuters

Segundo fontes oficiais não identificadas conhecedoras do assunto, o programa tinha uma modificação que permitia procurar documentos com a legenda 'top secret' e que poderiam conter informação confidencial do executivo norte-americano.

Segundo o jornal, as suas fontes de informação acreditam que essa modificação no programa só poderia ter sido feita com o conhecimento da empresa, Kaspersky Lab, sedeada em Moscovo, o que os leva a pensar que o programa se transformou em uma "ferramenta" de espionagem para o governo russo.

Na semana passada, o Wall Street Journal informou que em 2015 piratas informáticos russos usaram 'software' da Kaspersky para acessar o computador pessoal de um contratado da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em Inglês), que tinha retirado material do seu computador oficial.

Mas, ainda segundo a publicação, o uso deste antivírus tem sido utilizado de forma extensa e generalizada em todo o mundo.

"Não há nenhuma maneira de a Kaspersky ignorar o que o programa faz", afirmou um ex-funcionário norte-americano que, em 22015, conheceu a forma de utilização deste programa para procurar segredos dos EUA.

O WSJ adiantou que se desconhece quantos computadores ou funcionários públicos possam ter sido visados por este tipo de ação e que tipo de informação possa ter sido pirateada.

Ainda segundo o jornal, Israel alertou os EUA para estas eventuais manobras depois de os seus serviços de informação terem penetrado nas redes da Kaspersky em 2014.

Em junho, todas as agências e serviços federais foram proibidas de usar programas da Kaspersky.

Fonte: LUSA

ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do 24 Horas News