Geddel e Kátia Abreu são afastados das funções partidárias do PMDB por 60 dias

Ex-ministro pediu para a Executiva Nacional do partido para afastá-lo; já a senadora é processada no Conselho de Ética peemedebista por ter ferido a ética e a disciplina partidária com críticas à legenda e ao presidente Temer

| 13/09/2017 19:05:06
Geddel Vieira Lima foi preso por suspeita de tentar atrapalhar investigação sobre esquema na Caixa Econômica Federal
Valter Campanato/Agência Brasil
Geddel Vieira Lima foi preso por suspeita de tentar atrapalhar investigação sobre esquema na Caixa Econômica Federal

A Executiva Nacional do PMDB afastou, nesta quarta-feira (13), o ex-ministro Geddel Vieira Lima da Primeira Secretaria e das funções do partido pelo prazo de 60 dias. O pedido de afastamento foi feito pelo próprio peemedebista.   

Geddel está preso desde a semana passada no Presídio da Papuda, após a Polícia Federal (PF) encontrar mais de R$ 51 milhões em um apartamento  emprestado por um amigo.

No documento que pediu a prisão preventiva do ex-ministro, o Ministério Público Federal (MPF) afirma que o peemedebista é um “criminoso habitual” e que “não há medidas cautelares alternativas que sejam capazes de impedir que novos delitos sejam cometidos”.

O peemedebista já cumpria prisão domiciliar, mas estava sem tornozeleira eletrônica, por falta do equipamento em Salvador. A prisão preventiva do ex-ministro foi determinada pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília.

No último dia 6, a PF encontrou impressões digitais do peemedebista no apartamento, o que reforça as suspeitas de ligação do ex-ministro com o dinheiro, comprovando que ele esteve no imóvel onde a quantia milionária estava guardada.

Além disso, segundo os procuradores, duas testemunhas – uma delas o dono do imóvel –confirmaram à polícia que o ex-ministro usava o apartamento emprestado, a pretexto de guardar pertences do pai que morreu no ano passado.

Kátia Abreu

A Executiva do PMDB também afastou das funções partidárias a senadora Kátia Abreu (TO), pelo mesmo prazo. Segundo o senador Romero Jucá (RR), presidente da legenda, o afastamento da senadora é para aguardar a decisão do Conselho de Ética do partido , que analisa o processo contra a peemedebista por ter ferido a ética e a disciplina partidária com críticas à legenda, ao presidente Michel Temer e por ter votado contra matérias defendidas pelo governo.

Ainda na reunião que afastou Geddel, o senador Romero Jucá designou o líder do PMDB na Câmara, deputado Baleia Rossi (SP), para buscar um entendimento em torno das divergências no PMDB de Pernambuco com a filiação ao partido do senador Fernando Bezerra. Essa filiação gerou atritos na legenda e um integrante do PMDB local pediu a dissolução do diretório regional. Jucá disse esperar que Baleia Rossi consiga fazer o entendimento entre as partes divergentes para evitar a dissolução da direção do partido no estado.

* Com informações da Agência Brasil


ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do 24 Horas News