Preparo de terreno de novo autódromo no Rio custou R$ 86 milhões

Estadão Conteúdo | 12/07/2019 10:00:23

O projeto do novo autódromo do Rio está orçado em cerca de R$ 700 milhões. A pista a ser construída terá 5.835 metros de extensão

Divulgação/Consórcio Rio Motorsports

Em meio ao imbróglio sobre a definição do novo responsável legal pela área de 2 milhões de metros quadrados localizada na região de Deodoro onde está prevista a construção do novo autódromo do Rio, já foram gastos para preparo do terreno R$ 86 milhões do antigo Ministério do Esporte, atual Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania.

O montante foi utilizado, de acordo com a pasta, para descontaminar o solo e desocupar duas unidades militares que funcionavam no local: o Centro de Instrução de Operações Especiais (CIOpEsp) e o 2.º Centro de Telemática de Área (2CTA).

Antigo campo de treinamento do Exército, o terreno possuía material bélico enterrado. Entre 2012 e 2015, o solo foi “descontaminado”, mas ainda existe o risco de artefatos localizados a mais de 30 centímetros de profundidade não terem sido retirados.

“Foi realizada uma limpeza da área, dentro de padrões técnicos que levaram em consideração certas limitações operacionais”, admite o Exército em nota enviada ao Estado.

A definição sobre quem será o novo responsável legal pelo terreno ainda está em discussão e se arrasta desde 2012. Naquele ano, chegou a ser assinado um documento que dava início ao processo de transferência da área do Exército para a Superintendência do Patrimônio da União no Estado do Rio, que posteriormente deveria transferi-la ao Ministério do Esporte.

A mudança fazia parte de um acordo que previa a construção do novo circuito como compromisso dos organizadores dos Jogos Rio-2016 depois que o autódromo de Jacarepaguá foi demolido para dar lugar ao Parque Olímpico da Barra. À época, a ideia era que o governo federal financiaria o projeto e o governo do Estado do Rio seria o responsável pelas obras.

Jornalista: Estadão Conteúdo