“Meu ministério também sofreu”, diz Moro sobre contingenciamento

Da Redação | 15/05/2019 23:35:43

Ministro da Justiça e da Segurança Pública também defendeu a aprovação do pacote anticrime no Congresso e Coaf sob seu comando

Reprodução/GloboNews

Questionado sobre o bloqueio de verbas na Educação, o ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, afirmou que houve cortes em todas as áreas e que fica triste quando a situação econômica afeta seu ministério. A afirmação foi feita durante entrevista ao programa Central GloboNews, na noite desta quarta-feira (15/05/2019).

“Confesso que quando meu ministério sofre esses cortes, eu não fico feliz, fico desanimado. Mas eu sei que o próprio ministro [da Economia] Paulo Guedes e o presidente Jair Bolsonaro não ficam contentes”, declarou.

Moro se mostrou alinhado com o discurso do governo, avaliou haver influência político-ideológica nas manifestações contra o contingenciamento na educação e defendeu a aprovação da reforma da Previdência.  

Mais sobre o assunto Lula sobre Bolsonaro indicar Moro ao STF: “Crime de corrupção” Rodrigo Maia elogia Sergio Moro: “Fez e tem feito” política Sergio Moro será indicado para próxima vaga no STF, afirma Bolsonaro Protestos contra os cortes na Educação levam milhares às ruas do país

“Eu acho que esses movimentos deveriam servir como uma forma de alerta de que é necessário fazer essas reformas para ter recursos disponíveis para outras áreas”, opinou. 

O ministro da Justiça e da Segurança Pública fez a defesa do pacote anticrime, em tramitação no Congresso, e voltou a dizer que o Controle de Atividades Financeiras (Coaf) será melhor aproveitado se ficar sob seu comando.

“Não controlo a pauta do Congresso nem os parlamentares. O que posso fazer, como ministro, é tentar convencê-los”, disse.

Jornalista: Da Redação