Seduc realiza curso de Libras para professores de Salas de Recursos

| 28/09/2017 11:45:07

Participam da formação 50 profissionais da rede estadual de ensino de Cuiabá, Várzea Grande e do interior do Estado.

Esta é a primeira etapa do curso, que prevê ainda mais duas turmas (23 a 30 de outubro e 06 a 11 de novembro), com carga horária de 60 horas cada.

A Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (Seduc), em parceria com o Ministério da Educação (MEC/FNDE), realiza entre os dias 02 e 09 de outubro, no Hotel Mato Grosso Palace, em Cuiabá, o Curso Formação Continuada em Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Participam da formação 50 professores da Sala de Recursos Multifuncional - Atendimento Educacional Especializado (AEE) da rede estadual de ensino de Cuiabá, Várzea Grande e do interior do Estado, que atendem alunos surdos inclusos no ensino regular.

Esta é a primeira etapa do curso, que prevê ainda mais duas turmas (23 a 30 de outubro e 06 a 11 de novembro), com carga horária de 60 horas cada. O objetivo é subsidiar os profissionais no processo de inclusão dos alunos surdos, da comunicação entre a comunidade escolar e de aprendizagem da segunda língua desses estudantes, a língua portuguesa.

As aulas serão ministradas pelo professor mestre Gilmar Garcia Marcelino, graduado em Licenciatura em Letras Libras na Universidade Federal de Santa Catarina-Florianópolis (2010), graduação em Pedagogia (2016), Especialização em Métodos e Técnicas de Ensino na Universidade Salgado de Oliveira em Niterói (2007) e mestrado em Estudos de Tradução na Universidade Federal de Brasília (2016).

Gilmar tem experiência na área de Letras e Educação, com ênfase em educação de Surdos, Língua de Sinais Brasileira e Escrita de Sinais, atuando principalmente no seguinte tema: professor de Libras.

Inclusão

O coordenador de Educação Especial da Seduc, Marcino de Oliveira, destaca que a inclusão começa pela educação bilíngue e que é preciso valorizar a língua brasileira de sinais e as diferentes metodologias para que a inclusão da pessoa surda aconteça.

“Professores bilíngues para atuar na educação infantil e no ensino fundamental são essenciais para o processo de aprendizagem dos alunos surdos, já que as crianças surdas devem ser alfabetizadas, primeiro, na língua materna, a libras; depois, na segunda língua obrigatória, o português”.

Ele ressalta que a Seduc desenvolve formações e cursos durante todo o ano por meio da Coordenadoria de Educação Especial e do Centro de Apoio e Suporte à Inclusão da Educação Especial (Casies).