STF julgará três ações contra cortes em universidades

Da Redação | 15/05/2019 23:35:31

Partidos políticos querem explicações do governo sobre o contingenciamento

Andre Borges/Especial para o Metrópoles

O Supremo Tribunal Federal (STF) recebeu mais duas ações contra o corte no orçamento de universidades e institutos federais anunciado pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL), segundo O Globo. Nesta quarta-feira (14/05/2019), manifestantes saíram às ruas em todo o país contra o contingenciamento na educação.

De acordo com o jornal, uma das ações foi apresentada pelos partidos PSB, PV e PC do B nesta quarta-feira (14/05/2019), depois que a Rede Sustentabilidade entrou com um pedido na segunda-feira. O PDT foi o primeiro a contestar a situação no Supremo. A alegação é que o governo não deu explicações adequadas sobre a medida. 

Mais sobre o assunto Centrão e oposição emparedam Weintraub, mas governo vê “vitória” Deputados pedem demissão de ministro da Educação após falar de Lula Protestos contra os cortes na Educação levam milhares às ruas do país Casa Civil desmente líder do PSL e diz que bloqueio de verbas continua Juíza da Bahia dá 5 dias para União explicar cortes nas universidades

O relator dos casos é o ministro Celso de Mello, que já definiu que a situação será avaliada em plenário. Não há data para o julgamento.

Justiça da Bahia A juíza Renata Almeida de Moura Isaac, titular da 7ª Vara Cível do Tribunal de Justiça, determinou que a União explique, no prazo de cinco dias, o contingenciamento de recursos destinados às universidades e institutos. A decisão foi tomada na segunda-feira (13/05/2019).

A ação civil pública que levou à decisão foi impetrada, entre outros, pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Universidade de Brasília (UNB).

O processo pedia, também, uma medida tutelar, barrando o corte, anunciado pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub. Renata, entretanto, negou o pedido.

Ministro na CâmaraEm uma audiência com quase seis horas de duração, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, deu explicações aos deputados federais sobre o bloqueio no orçamento. A participação deixou congressistas – tanto da oposição quanto governistas – “insatisfeitos”. A queixa é que Weintraub pouco se aprofundou na questão orçamentária.

Weintraub responsabilizou o ministro da Economia, Paulo Guedes, pelos cortes da área. “Não fui eu que fiz [o bloqueio], foi o Ministério da Economia, com Paulo Guedes”, eximiu-se o ministro da Educação. “Ele está fazendo o que tem que ser feito. Ciência econômica é uma ciência. Se você tem uma infecção, você tem que gastar com medicina, não adianta resolver com vodu”, destacou.

Na sequência, Weintraub completou: “A gente está aplicando o que a ciência manda. Tentaram fazer diferente nos últimos 20 anos e não deu certo”.

 

Jornalista: Da Redação